Total de visualizações de página

sexta-feira, 17 de abril de 2015

NO ANDAR DA CARRUAGEM, ANDA TAMBÉM MINHA VIDA...


O tempo tira de um lado e muito oferece do outro. Na maturidade, amamos verdadeiramente, sem limites, fronteiras e sem medo. E da mesma forma somos amados. Não vivemos do corpo e sabemos aproveitar o que a mente nos proporciona: Uma mente cheia de riquezas que aumentam a cada dia. 

Em questão física, tudo descamba e envelhece, mas os sonhos não acabam, as lembranças não morrem, a experiência e sabedoria aumentam e o amor não se cansa nunca. O tempo deixa marcas no físico sim senhor, desde a cor dos cabelos, textura da pele e até o tom da voz. Esse é o ciclo da vida. 

Mas vamos combinar, fruta madura é bem melhor... Mais doce, saborosa e suculenta... O que se perde em vigor físico, se ganha em experiência, vivência, sabedoria e é aí que entendemos melhor nossa existência  decifrarmos os atalhos que ela nos proporciona. É na maturidade que entendemos muitas coisas, é nela que temos uma vida renovada. O bom do envelhecer é a bagagem que se vai adquirindo e que nos permite viver melhor,com sabedoria e em plenitude. 

Alguém vai dizer que é balela essa colocação que faço sobre o passar do tempo, sobre a vida e suas marcas e que a aceitação de que envelhecemos é o melhor caminho para encontrar um ponto de equilíbrio para o nosso eu. Então vem a pergunta: E tem outro jeito? O tempo passa, a pele fica flácida e as articulações enrijecem... O olhar perde o viço, o cabelo perde o balanço, enquanto você balança e cai por qualquer tropeção. Ou aceita isso, ou vai ser uma pessoa velha e esticada por intervenções cirúrgicas, metacril e botox[e frustrada]. Nada contra [e até penso em fazer algo assim daqui uns tempos] mas encontrar o equilíbrio é essencial, para não parecer uma múmia no formol, uma pessoa ranzinza e azeda!

Enfim, o tempo é muito generoso quando as pessoas são sábias, quando sabem tirar maior proveito dele! A lei da vida é essa: Ao mesmo tempo que a ação da gravidade age na gente, os conhecimentos e cargas de experiência, também! Conforme os anos passam, aprendemos o suficiente para constatar a beleza que existe nesta fase da vida em que estamos. Enquanto perdemos no corpo, ganhamos na alma. Há mais ganho do que perda, afinal elastina se repõe [com injeções?] e sabedoria não tem quem possa barganhá-la na bioplastia. Basta aceitar que envelhecer o corpo faz parte do viver, mas que o interior pode ser eternamente jovem, Como? Nunca deixar que as lamúrias tomem espaço onde deveria estar a alegria! Ninguém aguenta velho ranzinza, isso é fato...

Marly Bastos

5 comentários:

  1. Marly, vou ficar um bom tempo lembrando desse seu texto e comparando o que li por aqui com algumas pessoas que conheço.

    Um beijo grande

    ResponderExcluir
  2. Ah! Marly, belas palavras! Dignificantes a cada ruga silcada pelo sorriso ou pelo choro, que trouxe imenso aprendizado; a cada cabelo branco, tinto pelas estratégias boladas para se viver melhor; a cada passo lento, para observar a energia da vida que segue ao nosso lado; à decadência da beleza escultural jovem que não se troca jamais pelo ganho da serena sabedoria... Lindo texto!
    Abração da Célia, 68.

    ResponderExcluir
  3. Negona deveríamos ter uma segunda chance, ou seja, poderíamos voltar aos 15 com a experiência dos 40, 50, 60... Perfeito, não?
    Brincadeiras a parte, tudo depende do equilíbrio. Também penso em fazer uma plástica daqui há alguns anos, mas n]ao pretendo me mumificar. Linda e natural, afinal, cada idade tem suas belezas, sua delícias. E, infelizmente, seus dramas também.
    Um xero negona!!

    ResponderExcluir

Se leu-me até aqui, deixe uma palavreseadinha aqui [blogueiros adoram comentários rsrs]