Total de visualizações de página

domingo, 2 de setembro de 2012

JÁ ERA “ERA UMA VEZ”


       
No início tudo era perfeito... A paixão se concretizava em pequenos gestos, a delicadeza e sensibilidade nas palavras eram o que sustentava a leveza do ser e estar, pois havia uma tênue linha entre a realidade e o conto de fadas. Até os defeitos que cada um apresentava, eram sublimados pelo fogo do desejo e cartaseado pelo desejo em fogo... Parecia que a vida fluía dos poros e se contraia na carne; já a descobertas de uma vida a dois era pura descontração. Nos olhos deles, só havia a beleza que o coração teimava em florear e tapar todo o resto [chamado realidade].

Com o passar do tempo, seus olhares foram aos poucos guardando rastros de inquietudes... Os defeitos, as manias, as picuinhas cotidianas foram avolumando o aborrecimento de um com o outro, o conto de fadas deixou de fazer sentido e o deslumbramento se transformou em decepções...

Que inferno de vida rasa é essa que deixa uma leve brisa revoltar as águas da vida? Cadê a capacidade de sonhar fantasias, fantasiar sonhos e esperançar a paz? Por onde ficou perdida a capacidade de apaziguar com carinho e compreensão as horas difíceis em que palavras proferidas se tornam campos minados e os gestos ganham uma distância tamanha entre os corações! Todas as juras de amor, todos os beijos fundidos, todos os abraços enlaçados, todos os olhares cobiçados, todos os toques arrepiados ficaram esquecidos pelo tempo e engolidos pela falta de zelo e vontade...

Foi por imaturidade que deixaram tantos sentimentos escorrerem pelos dedos da vida... Talvez se fizessem parte dessas pessoas maravilhosamente adultas, que conseguem ter domínio e sabedoria para colocar na balança a complexidade da vida e converter em simplicidade tudo que os apavorava e os faziam esconder em cantos de castigos, talvez conseguissem ainda capturar o amor que fugia como borboletas espantadas pelo vento. Mas eram maravilhosamente imaturos, e muito pouco sabiam dessas coisas do coração. Ou amavam ou não...

Definitivamente não souberam ser inteiros e nem ter a humildade e disposição para catar os seus pedaços que conforme a vida foi “arrochando” iam se perdendo, se esfacelando e a cada dia estavam mais desmembrados interiormente... Sairam capengas e aleijados de uma história que começou em “Era um vez”.

Marly Bastos

33 comentários:

  1. Bom dia querida. Que bom poder vir aqui e te ler. Obrigada, muito obrigada.
    É Assim....por vezes deixamos de lado a criança que havia em nós ...dexamo-la pelo caminho da vida e não sabemos mais ser felizes...infelizmente.
    Deviamos meditar sobre isso para não deixar acontecer.
    Te abraço forte. Isabel/BlueShell

    ResponderExcluir
  2. Minha amiga querida,
    Tantas uniões terminam assim. Infelizmente existe uma possibilidade que acaba resultando nesse desencantar que é a repetição. Quando a imaturidade perdura, insiste em não permitir-nos recuperar os pedaços que vão ficando pelo chão, resultamos, quase sempre, num "era uma vez..." Nesse "desmembramento" interior acabamos por perder o outro e até nosso próprio "eu". O que resta? RECOMEÇAR!Buscar os atalhos não percorridos, as trilhas escondidas e quem sabe? Gr. Bj.!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De uma visitinha em Muchas Coisas; textos sobre temas da vida e do nosso dia-a-dia.

      http://www.muchascoisas.blogspot.com.br/

      Excluir
  3. Que linda maneira que falar sobre a cegueira das paixões: uma linha tênue entre a realidade e o conto de fadas!
    Saíram capengas mas certamente com algum aprendizado ( assim espera-se ).
    São histórias que doem, amargam, mas é maravilhoso ter um Era uma vez na vida.
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Oi Lili,

    Tudo bem? Um texto atual para uma era de muitas princesas e alguns príncipes. Lendo o seu texto, lembrei de um filme que assisti a semana passada que se chama Divã a Dois e que vale ser apreciado, pois relata várias passagens em que o amor fica congelado frente a rotina do cotidiano. Ensina o recomeço a dois, sem dogmas ou preconceitos.

    Beijos e boa semana!

    ResponderExcluir
  5. Oi, Marly, que beleza de postagem. É triste mesmo quando uma história que parecia ter tudo para dar certo tem fim. Sonhos, planos e juras de amor são trocadas por acusações, mágoas, dores. É preciso mesmo muita maturidade de ambas as partes para perceber quando a linha que une intensamente um ao outro, se parte. Essa semana tentei vir aqui, encontrei o blog fechado para leitores, ainda bem que voltou. :) Gosto muito dos seus escritos.
    Um abraço, ótima semana!

    ResponderExcluir
  6. Querida Marly, parece pessimismo dizer que isso acontece com todos os casais. Lembro-me sempre dessa frase: "Quer separar duas pessoas? Coloque-as para viver juntas". Um beijo!!!

    ResponderExcluir
  7. Tanta coisa mudou mas ainda acreditam em fantasias...
    Beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  8. Marly,
    este é um teste para ver se vai dar certo este comentário.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Marly, queridona!
    Acho que vai dar certo o comentário rsrs
    Todos querem uma vida cor de rosa, até os homens. Quem não sonha em início de relacionamento numa vida melhor, talvez até perfeita, e a decepção parece inevitável, mas saber lidar com ela, e driblar pequenas decepções me parece uma saída, afinal, também poderemos ser pequenas decepções do outro, e assim seguir, tentando evoluir a dois.
    Beijos e ótima semana!

    ResponderExcluir
  10. Bom, muito bom este texto.
    O sapo sempre me faz lembrar de uma pessoa distante (nem tanto assim).
    Um beijo grande

    ResponderExcluir
  11. Ate acho bom que a gente insista em acreditar em algumas coisas né?
    bjao e boa semana!

    opinandoemtudo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. Olá Srta, Já vivi na pele, o seu texto, muitas vezes! bom dia

    ResponderExcluir
  13. ★⋰˚ O que as grandes e puras afeições têm de bom é que depois da felicidade de as ter sentido, resta ainda a felicidade de recordá-las.

    Alexandre Dumas

    Beijo

    ResponderExcluir
  14. oi. Minha ruivinha preferida. Se lembra de mim? O garoto que tem um infinito particular. Passei um tempo afastado. Minha vida virou de pernas pro ar nos últimos meses. Estou voltando a ter esperanças depois de uma tempestade. Espero que você esteja bem e feliz - e ruiva!

    Seus textos ainda continuam brilhantes. Parabéns.
    Quero manter contato com você pelo facebook. Mas só me adicione se aguentar eu te perturbando! u.u

    BOM INICIO DE SETEMBRO PRA VOCÊ.

    ResponderExcluir
  15. Olá Marli!

    Adorei a tua prosa. Realmente, os sentimentos começam com um "Era uma vez..." e se o fogo da paixão se extingue, tudo muda e aquilo que "era" transforma-se em "foi". Tens uma alma muito profunda.

    Obrigada pela visita, mensagens e carinho. O bolo estava delicioso!

    Muitos beijinhos,

    Cris Henriques

    ResponderExcluir
  16. Oi...

    Passo para visitar seu blog e te convidar para o sorteio de aniversário de 1 ano do meu cantinho.

    http://filhadejose.blogspot.com.br/2012/08/sorteio-de-aniversario.html

    Excelente semana pra ti.

    Ana Virgínia

    ResponderExcluir
  17. Infelizmente ocorre com muitos casais, por isso nunca deixo a conversa para depois, assim as emoções não se amontoam.

    ResponderExcluir
  18. Tudo começa como nas narrativas infantis : era uma vez. O desenrolar da vida dos personagens é que traz as desventuras. Já nem sei se por falta de maturidade ou por avaliação inadequada do sentimento. Creio, porém, que o fogo apaga porque não é alimentado. E um ou ambos não se dispõem a buscar mais lenha.
    Belo e real texto. Bjs.

    ResponderExcluir
  19. Oi Marly
    Um lindo texto e bem real também, a maioria dos casamentos começam e terminam assim, eu tive a benção de encontrar um Marcos na minha vida, então ele está comigo para o que der e vier, não posso afirmar que será eterno, mas até agora está dando muito certo, graças a Deus, mas sei que somos exceção, ainda mais com o meu problema de saúde, sem mimimi.
    Bjão queridona. Fique com Deus!

    ResponderExcluir
  20. Acho que a expectativa que colocamos um no outro estraga tudo, somos pessoas normais com atitudes normais e esperamos coisas demais e nos doamos demais também. O dia que entendermos que todos tem defeitos talvez conseguiremos conviver uns com os outros numa boa, mas senão tiver amor e tiver sido mera paixão, quando ela vai embora não tem jeito mesmo. ótimo texto!

    ResponderExcluir
  21. Oi Marli,

    muito real seu texto. Lindo e triste, mas muito verdadeiro.
    Certa vez ouvi de um professor que tudo que começa com "era", já está predisposto ao fim...o que não deixa de ser verdade.
    Adoraria discutir mais, pois o assunto vai longe...

    Beijos

    Leila

    ResponderExcluir
  22. Olá Marly,
    Muitos deveriam ler esse texto antes de qualquer atitude precipitada. Sabe, algumas pessoas mais velhas da minha família, que acabaram se separando ao longo da vida, relatam esse mesmo tipo de situação: o sublime amor que foi destruído pelo tempo, mas que se tivessem um pouco mais de sabedoria entenderiam e poderiam contornar, bastando um pouquinho mais de atenção no relacionamento.

    Muito bom mesmo!

    Abraços, Flávio.
    --> Blog Telinha Critica <--

    ResponderExcluir
  23. Bom dia, Marly. Triste punhalada essa! Seu texto é perfeito!
    É exatamente assim que as relações se dão, infelizmente.
    Penso que a intolerância, o revide, estão sendo capazes de tomar o lugar do amor maduro, sereno, que pensa em dupla, que atua em cumplicidade!
    Vez em quando me pergunto como saimos dessa situação, ou como deixamos chegar a esse ponto tão fatídico!
    Será que tem volta?
    Parabéns!
    Beijos imensos na sua alma LINDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!

    ResponderExcluir
  24. Em primeiro lugar quero agradecer imensamente a oportunidade de ler teu blog que é lindoooooo de viver.Depois quero te perguntar quem te contou a história minha e do meu ex pr'ocê?? Kkkkkkk!!! Menina, faltou vc dizer que ele era um príncipe que depois se transformou num sapo, mas a imagem da menininha disse tudo. Seu texto me fez lembrar a música do Gonzaguinha "Explode Coração"!!! O dia a dia vai desgastando, falta compreensão, maturidade...
    Parabéns!!!
    Um xero enorme pra ti minha linda!!!

    ResponderExcluir
  25. Xiii... Nem tudo que começa em "Era uma vez" termina no "Felizes para sempre", porque iniciar uma história é fácil, mas continuá-la exige sabedoria, paciência, exige que se abra mão de certas coisas, que se repense atitudes... Porque o "felizes para sempre" não é uma coisa que se conquista sem lutas, é preciso persistir...

    Lindo, amiga!

    http://senhoritamoca.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  26. Por um momento pensei que vc estivesse narrando a história do meu casamento, que acabou exatamente assim. Imaturidade, egoísmo, individualidade e intolerância.
    Prometo fazer diferente da próxima vez!

    Um beijo, Marly, excelente texto, super verdadeiro.

    ResponderExcluir
  27. Eu já não acredito em amores de contos de fadas, a amor verdadeiro no qual acredito é aquele que suporta, que compadece e cresce em meio à tempestade. Porém este amor tem se perdido por causa da ilusão de que a relação a dois tem de ser perfeita e sem qualquer tipo de atrito...

    http://sublimeirrealidade.blogspot.com.br/2012/09/habemus-papam.html

    ResponderExcluir
  28. Olá, Marly.
    Creio que a inexperiência e a falta de sabedoria fazem com que problemas mínimos acabem ganhando grandes proporções, o que termina por minar o relacionamento e pode acabar por dar um fim a ele.
    Com o tempo, aprende-se a contornar isso e ver se o relacionamento realmente vale a pena.
    Abraço, Marly.

    ResponderExcluir
  29. Olá!Boa noite!
    Marly!
    Tudo bem por aqui?
    ...o era uma vez nem sempre termina com final feliz,...a constatação de um desgaste no relacionamento causa um sofrimento proporcional à solidez da convicção prévia de que a posse da outra pessoa era garantida...para que isso não aconteça penso que nada acontece sem esforço; até mesmo quando o assunto é o amor. Olhar para o parceiro buscando o motivo que os uniu, a amizade e o companheirismo. As opiniões divergem, mas o caso de respeitar a posição do outro traz subsídios enormes para que o desgaste do cotidiano não interfira na vida conjugal...esta é uma fórmula, tão belamente banalizada , tão superficial como o Era uma vez nos contos de fadas...
    ah..gostei do seu blogroll!
    Obrigado!
    Boa quarta feira!
    Beijos

    ResponderExcluir
  30. ...era uma vez...Sempre falamos das historias lindas em passado.É uma pena, né?
    Obrigado pela tua visita, menina. Beijins carinhosos...em tempo presente :)

    ResponderExcluir
  31. Oi querida, que bom estar aqui, esse assunto rende muito hem...
    Sabe quando eu tinha 16 anos de casada pedi minha separação, depois de muito tratamento de Deus entendi que buscava em meu marido a perfeição, bem amiga a história é longa demais...o que importa é que hoje ainda estamos juntos, e graças a Deus, com 25 anos de casados, felizes e imperfeitos,nos perdoando sempre, nos aceitando um ao outro, mas tentando sempre melhorar.
    Bj amada Marly Bastos.
    Marly

    ResponderExcluir
  32. Eu penso que esta seja a história real (diferente dos contos de fadas) da maioria das pessoas que se casam ou simplesmente ficam muito tempo juntas. Não sei dizer se é imaturidade ou é tédio mesmo, acredito que ao último não há paixão que resista.
    Pessoas devem aprender que Era uma vez, acaba mesmo como Era uma vez...

    ResponderExcluir

Se leu-me até aqui, deixe uma palavreseadinha aqui [blogueiros adoram comentários rsrs]