Total de visualizações de página

domingo, 20 de maio de 2012

HORAS DO RELÓGIO VISCERAL


Estou fragmentada... Nesse relógio visceral estou como as horas incertas do marasmo...
A tarde chegou com todo seu afeto vespertino. Eu na varanda preguiçosamente em uma rede podia ouvir o sussurrar do vento, fazendo melodia com o farfalhar das folhas secas que rolavam pelo chão e o balançar da samambaia numa dança calma e terna, suspensa em correntes por sobre a minha cabeça.
Via no esteio uma fileira de formigas carregando pedacinhos de folhas de alguma planta do jardim [ladras!] e algumas abelhas zunindo e sugando o néctar das flores que enfeitavam o espaço em volta.
Tudo perfeito! Mas, algo me corroia por dentro. Uma inquietação absurda que ia estreitando minha alma. Excedo-me cada vez que penso em você e nessa sua mania de brincar com meus sentimentos.
 Deixei-me aquietar, fechei os olhos e comecei a escrever na memória parágrafos sem nada... Fiz questionamentos sem respostas, e busquei lembranças de acontecimentos que trilharam minha vida. Faz tempo...
Perdendo-me nesse vago, nessa grande dimensão que são nossas lembranças, nossos desejos, nossos sentimentos e nossos sonhos, notei que tudo é ilusão, que tudo foi apenas poeira de um redemoinho que alvoroçou meus quereres de mulher.
Vou deixar passivamente que borboletas pousem nos trincos da porta do meu coração, que fiquem como guardiãs dos meus sonhos não consagrados, pois lá fora está uma aurora cinza, mas ainda assim, é uma aurora e a qualquer momento, minha tristeza sai do casulo e vai pousar no ocaso...

                                                     Marly Bastos

31 comentários:

  1. Assim eu me apaixono!
    Lindoooooooooooooooooooooooo!
    Um beijo preguiçoso.

    ResponderExcluir
  2. Marly, sua postagem me emocionou. Tenho olhado em volta e me dado conta de que muito do que vivi ou senti foi ilusão, e do quanto dói perder esse resquício de ingenuidade. Ando mais introspectiva (para não dizer triste) e tal qual seu texto, esperando que as dores sejam tratados para renascer para a vida. Acho que se eu perder esse resquício de esperança, perdi tudo. Um abraço!

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde, Marly. Eu me emocionei com o seu texto, me vi nele tão claramente que não teve como ser imparcial.
    Vivemos, sonhamos, amamos, e pensamos que nada terá um fim, ou que será como no começo, daí as nuvens cinzas aparecem, o céu fica encoberto, e o verde da doce paisagem, vira tristeza.
    Onde foi que nos perdemos? Essa pergunta é facilmente feita.
    A culpa foi de quem? O amor vira poeira, ou fica em nós mesmo tendo que partir. Marcas, dores, e sobrevivência.
    Entramos num outro caminho, pensamos ser felizes então, daí, tudo de novo. Isso não tem fim? Será cíclico para sempre?
    É certo que um dia a tristeza irá embora, talvez até a página cinco!
    Muito lindo, e fique na paz com o meu grande beijo para ti!

    ResponderExcluir
  4. A paz e a perfeição da natureza não acalentam nossos corações, quando estão passando por momentos de melancolia. A não realização de sonhos, ou a decepção com o que acreditávamos em perfeita sintonia, traz uma sensação de derrota. Mas não há respostas para os questionamentos decorrentes e só o brilho da esperança pode nos levar a outras jornadas, sem receio de novas quedas (ainda que ocorram).

    Bjs.

    ResponderExcluir
  5. Abelhas sábias, inspiram poesias em dedos divinos, abraços

    ResponderExcluir
  6. Ola Marly,
    Que texto lindo! A descrição que fez foi algo encantador, pude ser transportado para a sua varanda... E quase que piso nas formigas ladras! Rsrsrs...

    Acho também que o ambiente lhe trouxe uma inspiração enorme, amei esse trecho: "Deixei-me aquietar, fechei os olhos e comecei a escrever na memória parágrafos sem nada... "

    E as borboletas como guardiãs foi de uma intensidade poética que emocionou!

    Adorei. Bjoss....


    Abraços, Flávio.
    --> Blog Telinha Crítica <--

    ResponderExcluir
  7. Vim fazer 'aquela' visita.
    Abs.
    http://denisepuppin.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oi Marly
    Que leveza de poema, dava para sentir a brisa entrando (kkkkkk), e as borboletas, eu amo borboletas, o que elas significam, mudança, como o final diz, a tristeza sai do casulo e vai pousar no ocaso. Brilhante.
    Bjão querida e uma ótima semana.
    http://ashistoriasdeumabipolar.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. oi minha linda,

    que beleza de texto,
    li e reli,
    muitas vezes,
    inspirador,
    leve e cheio de verdades sutis...
    adorei!!!

    beijinhos

    ResponderExcluir
  10. Olá Marly, bom dia!
    Que texto mais lindo, inspirador, uma descrição suave, mas melancólica do sentimento mais lindo que é 'amar'.
    Adorei o texto e as entrelinhas também estão bárbaras, aquelas entrelinhas que sentimos, mas não conseguimos descrever ou fala, adoreiiii...beijos no coração

    ResponderExcluir
  11. Olá,Marly!!

    Lindo texto!!!Ninguém escada de momentos de melâncolia...o bom é que eles passam...e sempre rendem muitas reflexões.
    Como ver a beleza que nos cerca se nossos olhos estão voltados para dentro?!
    Beijos!Boa semana!

    ResponderExcluir
  12. Pura e simplesmente gostei do texto :)

    ResponderExcluir
  13. que esta liberdade doce, se alargue
    e te leve....

    beijo

    ResponderExcluir
  14. Oi querida,

    Tudo bem? o texto é tão doce e tão sereno ao mesmo tempo. Não buscar respostas seria como o amortecer a dor, a saudade e a lembrança. Você conseguiu expressar o descanso como refúgio e sabedoria. Seria o aquietar e prosseguir. Parabéns pela sensibilidade!

    Beijos.

    Lu

    ResponderExcluir
  15. Pena, que as borboletas guardiãs são tão frágeis e, infelizmente, por vezes, é necessário se trancar o coração com cadeado...
    Lindo poema...
    http://senhoritamoca.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Oi Marly!
    Nossa, que texto bonito, bem profundo e sentimental. Gostei mesmo, ficou bem legal.
    Saudades de conversar com voce ^^
    Beijos

    ResponderExcluir
  17. Esse texto até parece que foi feito para mim, identifiquei-me muito e parabenizo de pé pelos seus brilhantes posts, beijinhos☻

    ResponderExcluir
  18. Minha querida

    O futuro é hoje, temos que guardar as roupas velhas num canto da nossa recordação e ir de encontro aos sonhos.
    Lindo como sempre ler a tua alma.


    Deixo um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  19. Mesmo que as larvas demorem elas acontecem... É nesse instante que tudo se completa! Gr. Bj. Marly!

    ResponderExcluir
  20. A descrição deste texto realmente me impressionou. Isto prova que você realmente é uma escritora, pois somente os que possuem o dom da escrita conseguem transportar os leitores para dentro de seus mundos.
    Eu pude me ver no lugar onde descreve e ouvir os sons também descritos.
    Sobre o tema em si, eu acredito que tudo vale a pena, sejam coisas boas e ruins. Tudo faz parte da nossa história, a vida é feita de altos e baixos.
    Meus parabéns, senti sua falta minha contista favorita.

    ResponderExcluir
  21. Boa tarde escritora e poeta!

    Emocionei-me como os demais amigos que comentaram seu... texto? Não! Não é um texto qualquer. É uma das mais belas e líricas poesias que já li, e teve um encerramento magistral, minha querida Marly: "Vou deixar passivamente que borboletas pousem nos trincos da porta do meu coração, que fiquem como guardiãs dos meus sonhos não consagrados, pois lá fora está uma aurora cinza, mas ainda assim, é uma aurora e a qualquer momento, minha tristeza sai do casulo e vai pousar no ocaso..."- Lindo , lindo, lindo!

    Muito grata pela visita ao SEMENTES PRECIOSAS, e tamb[em pelas doces palavras deixadas la.

    Beijos da Lu...

    ResponderExcluir
  22. Todos os momentos de nossa vida são importantes para nosso crescimento, beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  23. Olá!Boa tarde!
    Tudo bem?
    ..."senti sua alma"... em algum momento de nossas vidas nos sentimos solitários, com esta sensação de falta, como se o tempo tivesse parado... ficamos presos a determinados arquivos emocionais, e buscamos o refúgio para amortecer a dor e aprender a ficar consigo mesmo... Solidão nada mais é que sentir falta de si mesma...
    Obrigado pelo carinho de sempre!
    Boa quinta!
    beijos com carinho...mais ou menos doce...será q sou pré diabético?
    ...fui...

    ResponderExcluir
  24. OI MARLIZINHA....
    lINDA A TUA CRONICA..INTENSA COMO VOCE...

    ( morri de rir com teu comentário..rsrsr )

    bjinhos..

    ResponderExcluir
  25. Marly, tudo bem?

    Uma bela de uma prosa poética você fez aqui.
    Pensei naqueles momentos de recolhimento em que pensamos e pensamos e para sonhar é um pulinho, e para desejar, outro.
    Muito bem descritos os sentimentos e a 'cena' não teve como não entrar nela e se recolher um pouquinho também.

    Grande beijo!

    ResponderExcluir
  26. marli muito joia seu texto. trabalhar as palavras é uma arte. parabens lamarque

    ResponderExcluir
  27. Que texto mais lindo, Marly! Exala poesia.

    Você é divina com as palavras.(Se já falei isto vale repetir).

    Beijos.

    ResponderExcluir
  28. Teu blog é lindo, parabéns!

    Vem conhecer o meu:
    leiakarine.blogspot.com

    ResponderExcluir
  29. Olá, Marly.
    Tem muitas vezes em que nos sentimos exatamente assim como descrevestes, do nada uma angústia bate no peito e parece que não vai mais passar.
    Então refletimos um pouco sobre tudo de bom que temos em nossa vida e essa aflição passa.
    Abraço, Marly.

    ResponderExcluir
  30. Qdo assisto o zorra sobre: Que Deus lhe dê em dobro ....rs lembro de vc...rsrsr saushauhs

    abças

    ResponderExcluir
  31. Marly

    É como um haicai expandido em um grande e belíssimo poema.
    Adorei.

    Bjs.

    ResponderExcluir

Se leu-me até aqui, deixe uma palavreseadinha aqui [blogueiros adoram comentários rsrs]